Arquivos de sites

Actualizações recentes

Ora bem, acabam de ser adicionados vários novos sites à lista de sites:

Para além disto, também passam a ser corrigidas palavras como difração, difratar, refração, refratário, birrefração e birrefrativo, por exemplo.

Obrigado a todos aqueles que deram as suas sugestões e as minhas desculpas por ter demorado tanto tempo a responder e a tornar as alterações efectivas.

Adenda: A título deste post do site da ILC contra o Acordo Ortográfico, informo que o site da Universidade de Coimbra foi adicionado à lista de sites afectados pelo FoxReplace.

Anúncios

Actualizações recentes e o Ciberdúvidas

Aqui vai mais uma ronda de actualizações. No último post, foi colocada à disposição dos leitores a possibilidade de se pronunciarem sobre se o Ciberdúvidas deveria ser adicionado à lista de substituição. Assim, com 76% dos votos a favor e 24% contra, o Ciberdúvidas passará a ser “dobrado” pelo FoxReplace. Assim, ao todo foram adicionados os seguintes sites à lista de sites:

Em contrapartida, a entrada para o antigo site do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (meteo.pt) foi removida.

Quanto a novas palavras, foram adicionadas entradas para a palavra “asteroide” (sem acento) e para palavras como “intersetar” e “interseção” (antes só havia entradas para palavras como “intercetar” e “interceção”).

O FoxReplace e o Ciberdúvidas

Para os que têm Facebook, pressuponho que já sejam “fãs” da nossa página no mesmo. Se o são (mas mesmo que não o sejam), é possível que também sejam “fãs” de outras páginas anti-AO90, como a ILC contra o Acordo Ortográfico ou a Tradutores Contra o Acordo Ortográfico, por exemplo. Isto tudo para dizer o quê (para além da publicidade gratuita)? Qualquer pessoa que siga qualquer uma destas páginas (mas não só) no Facebook há-de ter reparado, ultimamente, numa maior quantidade de “partilhas” para o site Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, pelas piores razões, como já é hábito quando o Acordo Ortográfico é tópico de discussão.

Até agora, eu tinha decidido que o site do Ciberdúvidas NÃO seria alvo das substituições feitas pelo FoxReplace, uma vez que, na altura, concluí que o site albergava muita informação em Português (e não acordês), apesar de alguns dos que lá escreviam escreverem e suportarem o AO90. No entanto, dadas as mais recentes acções e posições tomadas pelo site em questão, reconsiderei a minha posição e, por mim, o FoxReplace passaria a actuar no Ciberdúvidas. Mas não quero impor esta minha posição aos demais, uma vez que a mesma acarreta alguns “danos colaterais”, sendo o mais relevante (parece-me) o facto de sempre que se quiser ler alguma publicação do Ciberdúvidas relativa ao AO90, poder ser necessário desligar a funcionalidade de substituição automática de palavras aquando do carregamento da página (para quem faz uso desta funcionalidade), de modo a garantir que o conteúdo da mesma continua a fazer sentido, dado o seu contexto. Por exemplo, nesta resposta a uma pergunta, é inconveniente que o FoxReplace faça as suas substituições, pois isso leva à geração de frases como “É plausível que a conservação do p nesta forma se prenda com o intuito de evitar a homonímia que passa a existir entre o segundo elemento, óptica/óptica, «parte da física que trata da luz e dos fenômenos da visão», e óptica, derivado de óptico, do grego ōtikós «relativo às orelhas» (Houaiss).“, a qual, obviamente, deixa de fazer sentido se se escrever sempre “óptico(a)”.

Assim, considerando o exposto acima e quaisquer outras razões que ocorram ao leitor, venho por este meio pedir aos utilizadores do FoxReplace que digam de sua justiça sobre se desejam que o mesmo passe também a fazer as substituições do costume nas páginas do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, ou se, por outro lado, pretendem que as mesmas se mantenham sempre inalterada.

O FoxReplace foi actualizado. Acompanhe a mudança!

No último dia 16 de Janeiro saiu uma actualização para o FoxReplace, ficando o mesmo na versão 0.14.0. Esta versão traz algumas novidades, e passo a referir as mais relevantes.

É agora possível escolher qual(is) das sub-listas de substituição queremos que esteja(m) activa(s), ou seja, é possível, por exemplo, escolher se queremos que sejam feitas apenas substituições em palavras começadas por S, ou por A e R, ou qualquer outra combinação. Mas claro, na prática queremos que sejam feitas substituições em tantas palavras em acordês quanto possível, por isso o melhor será ser ter sempre todas as sub-listas activas.

A tecla que forçava o FoxReplace a fazer as substituições numa página passou de F2 à combinação de teclas Shift+F8. No entanto, continua a ser possível forçar este comportamento ao clicar no botão do FoxReplace (ver imagem abaixo).

Botão do FoxReplace. Clicar nele tem o mesmo efeito que premir a combinação de teclas Shift+F8

Botão do FoxReplace

O ficheiro pelo qual o FoxReplace recebia a lista de substituição mais recente foi alterado. Por esta razão, para continuar a receber a versão mais recente da lista de substituição, terá necessariamente de ir às opções do FoxReplace e, onde está o URL http://dl.dropbox.com/u/4967399/FoxReplace.xml, substituir por https://dl.dropbox.com/u/4967399/FoxReplace.json. As partes a negrito do endereço servem apenas para destacar as diferenças entre o endereço antigo e o novo. Se não fizer a mudança de endereços, o seu FoxReplace deixará de fazer as substituições. Se tiver alguma dúvida sobre este procedimento, visite o tutorial que diz como instalar e configurar. Este mesmo tutorial também foi actualizado para reflectir estas mudanças.


Quanto ao FoxReplace em si, é tudo. Aproveito agora para anunciar que são agora substituídas palavras como “autoditata”, ao passo que antes apenas eram substituídas palavras como “didata”. São agora também suportadas palavras como “eclético”, “ecletismo” e “ecleticamente”.

Um desabafo perante a psicose crónica acordista

Deparei-me com uma página intitulada Acordo Ortográfico e 2013 – por José Mauricio de Carvalho. Quando acabei de ler o seu conteúdo, partilhei a mesma no Facebook com um comentário a condizer. No entanto, devo dizer, o conteúdo da página é tão alucinante (no pior sentido possível) que não resisto em partilhar também aqui o mesmo comentário, talvez com apenas um bocadinho mais de texto, agora que estou de cabeça mais fria e me ocorre dizer ainda mais coisas.

Só a título de compreensão, o comentário consiste numa série de citações do próprio artigo, seguidas de um breve comentário ao conteúdo das mesmas.

E pronto, explicações dadas, aqui vai o comentário ao artigo:

Por que o acordo ortográfico é importante? Estudantes dos países lusófonos intensificarão a mobilidade nos próximos anos, sem acordo terão que estudar numa ortografia diferente da usada em seu país; diversas empresas brasileiras estão hoje atuando em países africanos de língua portuguesa, há muitos brasileiros vivendo lá e contratos sendo ali assinados, o acordo facilita tudo isto

HAHAHAHAHAHAHAHA(…)HAHAHAHAHAHAHAHA!!!!

Gostei particularmente do “sem acordo terão que estudar numa ortografia diferente da usada em seu país”, especialmente QUANDO O BRASIL É O ÚNICO PAÍS DA CPLP COM GRAFIA DIFERENTE DAS RESTANTES!! E desculpem que vos diga, mas um brasileiro que não consiga perceber uma palavra portuguesa só porque tem um ‘p’ ou um ‘c’ a mais que a correspondente brasileira, tem problemas cognitivos mais graves. E mais: como se fosse o dever de qualquer país adaptar-se aos estrangeiros (ainda por cima falantes da mesma língua). Digam-me, quantas vezes é que foram a Espanha e foram os espanhóis que vos tentaram perceber? Ou então os ingleses e holandeses que vivem há anos no Algarve? Garanto-vos, não há muitos que falem português; é tudo em inglês.

o mercado editorial de todos os países lusófonos ganhará com o acordo, os livros editados num país poderão ser utilizados em todos os outros, incluídos os livros didáticos e complementares empregados no sistema educacional.

HAHAHAHAHAHAHAHA(…)HAHAHAHAHAHAHAHA!!!! x 2

Especialmente porque os programas escolares são os mesmos em todos os países!!

O principal motivo é que o acordo tornará a língua portuguesa uma das mais faladas do mundo

HAHAHAHAHAHAHAHA(…)HAHAHAHAHAHAHAHA!!!! x 3

Em primeiro lugar, o Português já é a 6ª língua mais falada no mundo. Em segundo, isto acontece só de si graças ao número de brasileiros no mundo, e não graças à língua propriamente dita. Por fim, como é que um recurso escrito torna uma língua mais falada?

Embora exista diferença de sotaque e estilo entre as outras línguas, a grafia delas é igual.

HAHAHAHAHAHAHAHA(…)HAHAHAHAHAHAHAHA!!!! x 4

O que foi escrito antes são tudo mentiras. Esta é simplesmente ignorância. Por exemplo: http://ilcao.cedilha.net/?p=5827

Não há caso de grafias diferentes de uma mesma língua. É o que devemos perseguir também para o português.

HAHAHAHAHAHAHAHA(…)HAHAHAHAHAHAHAHA!!!! x 5

Esta é ignorância ao quadrado. Deve pensar que os Americanos e os Ingleses, povos que comunicam em Inglês, a segunda língua mais falada no mundo, mas, sem dúvida, a “língua internacional”, escrevem “center”, “theater” e mais uma mão cheia de palavras da mesma maneira.

Certamente que há um nome em Português apropriado para pessoas que escrevem coisas destas…

Actualizações recentes — o veredito do Correio da Manhã

Boas!!

Espero que tenham todos passado umas boas épocas festivas e Ano Novo!

Cá vai mais uma remessa de actualizações (em vigor desde esta madrugada). Comecemos pelo mais rápido; de novas palavras, há apenas uma: “veredito”, que passa agora a “veredicto”. Também foi feita uma correcção a uma expressão que estava converter “estático” em “estáctico”.

Relativamente a novos sites na lista de sites afectados pelo FoxReplace, temos os seguintes:

Continuar a ler

Actualizações recentes — epiléticos apocalíticos

Mais uma actualização à lista de substituição, cada vez mais recheada.

Comecemos por novos sites. Foram adicionados os seguintes:

Também é de notar que voltei a adicionar o site de tecnologia Pplware, uma vez que alguns dos seus editores decidiram começar a experimentar com o acordês. É uma pena, sinceramente.

Quanto às palavras, temos os seguintes grupos lexicais e expressões novas:

  • Apocalítico e apocaliticamente
  • Epilético, epileptoide/epiletoide e epiletiforme
  • Há/hás/hão/hei de

Por fim, foi corrigida uma expressão (T13) que estava a converter a palavra “tratou” (e.g. ele tratou daquilo) em “tractou”.

Mais sugestões?

SIC Radical mostra como é fácil aprender o AO90

Já me perguntaram por que razão é que é que eu tenho a palavra “contato” (C13) na lista de substituição. É por causa disto:

A SIC Radical a escrever "contato" em vez de "contacto".

A SIC Radical a escrever “contato” em vez de “contacto”.

Vi isto ontem pela primeira vez e na altura pensei “Bom, isto é gravíssimo!!”. Mas não se ficou por aí…piorou…muito…

A SIC Radical a escrever "fato" em vez de "facto".

A SIC Radical a escrever “fato” em vez de “facto”.

Eu sempre gostei muito da SIC Radical e penso que é um canal importantíssimo para a sociedade e cultura portuguesas, mas como vêem, acabou de se enterrar e muito… Sinceramente, não sei o que pensar. Toda a gente falha, e lapsos podem ocorrer a qualquer um… Mas não acredito que isto tenha ocorrido por acaso. Isto NUNCA ocorreria antes do AO90, muito menos duas vezes. Ou melhor, três…

A SIC Radical a escrever "dificéis" em vez de "difíceis".

A SIC Radical a escrever “dificéis” em vez de “difíceis”.

Com estas três ocorrências no mesmo programa (“O colega misterioso”, ou “Undercover boss”, em Inglês) fico a pensar se a SIC Radical tem brasileiros a fazer as legendagens (não que isso tenha qualquer problema), mas, pior que isso, se farão algum quality check ao que publicam…

De qualquer maneira, como se pode ver, sempre é muito fácil aprender a escrever de acordo com o AO90; basta tirar os C’s e os P’s e presto! Querem melhor propaganda que esta? Ao menos agora ninguém pode dizer que nunca aconteceu. Está registado e em triplicado.

Estou a pensar em enviar-lhes um mail… o que acham? O que lhes diriam?

Pedido de Pedro da Silva Coelho, via Facebook

Caríssimos,

Os deputados e a AR devem ser mantidos sob pressão continuada, sobretudo se estiver para breve a possível entrega da ILCAO [(http://ilcao.cedilha.net/)] na Assembleia da República. Senão – e esta é uma opinião pessoal – corre-se o risco de despacharem a ILCAO como fazem a tudo o que cheire a “cidadãos” na AR…  Como tal, creio que devemos continuar a fazer chegar aos deputados, à A.R. e ao Governo, a voz da nossa rejeição. Basta uma frase e é tão fácil como afixar um comentário.  Para que seja ainda mais fácil, deixo-vos uma selecção de contactos:

Presidente da República: belem@presidencia.pt

Presidente da Assembleia da República: http://www.parlamento.pt/sites/PAR/PARXIIL/Contacto/Paginas/default.aspx

Governo: – Primeiro-Ministro: gabinete.pm@pm.gov.pt – Ministro da Educação e Ciência: gabinete.ministro@mec.gov.pt

Líderes dos grupos parlamentares:

Deputados do PSD-Açores que “sugeriram” ao Governo suspender a applicação do AOLP90:

Outros deputados:

O deputado e vice-presidente da bancada parlamentar do CDS-PP, João Pinho de Almeida, rejeitou o AO em mensagem pública no seu facebook oficial no inicio deste ano. Para contactar o deputado João Pinho de Almeida: http://www.parlamento.pt/…DeputadoGP/Paginas/EmailDeputado.aspx?BID=1657

E convém não esquecer também Paulo Portas, que sempre foi contra o AO [mas que trocou de lado quando chegou ao Governo]. Para contactar o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros: gabinete.ministro@mne.gov.pt

Estudantes do Técnico contra o Acordo Ortográfico

A Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST), da Universidade Técnica de Lisboa, opõe-se ao Acordo Ortográfico (AO) e não quer que os alunos que não o adoptem sejam prejudicados. Em comunicado, os estudantes revelam que apresentaram, no final da passada semana, uma moção para a rejeição do AO à assembleia-geral de alunos e esta foi aprovada, tornando-se a AEIST “a primeira associação de estudantes do país a rejeitar oficialmente” o acordo. Assim, a associação propõe que os alunos não sejam prejudicados pelos professores por recusarem escrever segundo o AO. A AEIST não vai adoptar o AO nos seus documentos oficiais e vai pedir a revogação do acordo junto dos órgãos de governo do Técnico. A associação vai ainda levar esta posição ao Encontro Nacional de Direcções Associativas (ENDA), onde se reúnem todas as associações de estudantes das universidades e politécnicos do país.[Transcrição integral do artigo no jornal “PÚBLICO” de 21 de Maio de 2012.]

A Associação dos Estudantes do Instituto Superior Técnico (AEIST), reunida em Assembleia Geral de Alunos, rejeitou na semana passada o Acordo Ortográfico (AO) no seguimento da aprovação de uma moção. O DIABO falou com o porta-voz do “Desacordo Técnico”, o movimento que se opõe ao AO no Técnico e que conseguiu a sua primeira vitória. O Ensino é uma das principais áreas em que a verdadeira trapalhada ortográfica a que chegámos mais se sente. A oposição ao AO motivou o aparecimento de um movimento de estudantes no Instituto Superior Técnico (IST), chamado “Desacordo Técnico”, noticiado pelo nosso jornal, que rapidamente ganhou visibilidade e reuniu amplo apoio. João Fabião, porta-voz desse movimento, disse a O DIABO que “a ideia surgiu de forma espontânea entre um grupo de colegas. Embora exista uma grande passividade sobre este assunto, achámos que podíamos fazer a diferença. Nesse sentido, decidimos lançar uma página no Facebook para a divulgação, enquanto idealizámos uma estratégia para levar o Acordo a discussão nos órgãos do governo do IST”. Relativamente à adesão, afirmou que “a página do Facebook gerou bastante interesse, ao ponto de ter hoje mais de 700 seguidores e de chegar, em média, a mais de 15 mil pessoas. Da parte dos alunos tivemos muitas demonstrações de apoio. Alguns docentes também têm mostrado simpatia e interesse pelo nosso trabalho. Queremos transmitir à comunidade do IST as verdadeiras implicações do AO e as suas inúmeras contradições”.
Reprovado
Foi na quinta-feira da semana passada que na Assembleia Geral de Alunos, a AEIST rejeitou o AO no seguimento da aprovação de uma moção com quatro pontos, votados individualmente. Tornou-se, assim, a primeira Associação de Estudantes do país a rejeitar oficialmente o Acordo.Para João Fabião, conseguir “aprovar uma moção em Assembleia Geral de Alunos (AGA) pela rejeição do AO é uma pequena mas significativa vitória. A AGA é o órgão soberano da AEIST, a associação que representa todos os estudantes do IST. E o IST é a maior e mais prestigiada escola de engenharia e tecnologia do país. A aprovação da moção significa, sem margem para dúvidas, que os alunos do IST rejeitam este Acordo”.
Questionado sobre qual o próximo passo do movimento, o porta-voz do “Desacordo Técnico”, responde: “Nesta questão ainda há muito que podemos fazer. Por um lado, queremos continuar a levar a discussão do AO aos órgãos de gestão do IST. Já conseguimos colocar este assunto na ordem de trabalhos da Assembleia da Escola, um órgão consultivo que representa os três corpos da escola. Por outro lado, gostaríamos de sensibilizar outras Associações de Estudantes e Associações Académicas para a rejeição do AO, de forma a dar início a um movimento nacional de estudantes do Ensino Superior contra o AO. Nos nossos objectivos está ainda uma recolha de assinaturas para a Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico (ilcao.cedilha.net).
Exemplo
Esta acção de cidadania e de participação em defesa da Língua portuguesa é um exemplo para outras associações de estudantes emPortugal.João Fabião concorda e acrescenta que “a AEIST é uma das maiores e mais organizadas associações de estudantes do país. Pensamos que aprovação da moção em AGA tem um grande peso simbólico, porque mostra que é possível fazer a diferença. É possível rejeitar o AO”.
O DIABO não resistiu a perguntar-lhe se não seria de esperar que fossem alunos de Letras os primeiros a fazer algo semelhante, ao que o responsável pela moção respondeu: “Quanto aos alunos de outras Faculdades, não podemos comentar. Mas o Instituto Superior Técnico sempre teve uma tradição de intervenção em diversos domínios da sociedade”.
Para além dessa atitude, há uma questão pertinente que são as grandes diferenças na terminologia técnica utilizada pelo português europeu e pelo português do Brasil. Aqui não há, nem haverá, a “unificação” milagrosa que garantem tantos defensores do AO. Um aspecto curioso a esse propósito é a utilização de manuais em inglês por muitos dos estudantes de Engenharia. O DIABO falou com Joana Alemão, aluna do curso de engenharia informática, que afirmou preferir os manuais em língua inglesa às traduções brasileiras, devido às enormes diferenças nos termos técnicos. Uma situação que é comum naquele estabelecimento de ensino superior.
Combate legítimo
Por fim, O DIABO confrontou o porta-voz do “Desacordo Técnico” com a afirmação, muito comum, de que lutar contra o AO é um “combate perdido”. João Fabião respondeu que “se nada fizermos, será com certeza um combate perdido. Mas nem por isso deixa de ser menos legítimo. No IST, para além da preparação técnica e curricular, sempre nos incentivaram a batermo-nos pelo que achamos correcto, contra o que consideramos mau e injusto. Por isso pouco importa se é um combate perdido. Este AO é um desastre e um absurdo, e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para rejeitá-lo”.
A Moção

Ponto 1 – Proposta de “abandono do Acordo Ortográfico de 1990 em todos os documentos e comunicações oficiais da AEIST”;
Ponto 2 – Proposta uma “tomada de posição pública da AEIST contra o Acordo Ortográfico de 1990?;
Ponto 3 – Proposta da “defesa, por parte da AEIST, da revogação do Acordo Ortográfico de 1990 junto dos órgãos de governo do Instituto Superior Técnico, assegurando que nenhum estudante seja prejudicado por recusar escrever segundo o AO”;
Ponto 4 – “Proposta de revogação do Acordo Ortográfico de 1990 em Encontro Nacional de Direcções Associativas (ENDA), no sentido de dar início a um movimento nacional de estudantes do Ensino Superior contra o AO”.
[Transcrição integral do artigo de Duarte Branquinho no jornal “O Diabo” de 22 de Maio de 2012.]

In ILC contra o Acordo Ortográfico.